Tuesday, 18 November 2008

Quando Eu Me Vestir

Quando eu me vestir, que fato devo usar
Fato de hipocrisia, de rancor e de cinismo?
Fato da modéstia e amor, que sempre usei
Ou o fato do algoz vaidoso, do capitalismo.

Quando me vestir, para todos me reconhecer
Usarei um fato vincado, e ao peito uma flor
Aquele fato de riso, que sempre te deu prazer
Sim! Aquele que usava quando fazia amor.

Talvez vá vestir outra vez, o fato do sonhar
Aquele fato de esperança, de contigo voar
O azul, quando só pensava-mos em beijar
O fato do paraíso da vida, seu nome, ama.

Quando me vestir, usarei o fato da inocência
Quando declarava, que a verdade é puro amor
Aquele que mais usei em minha vivência
Que me fazia feliz, e nunca me causou dor.

Quando me vestir, será o fato de liberdade
Aquele fato, por quem eu sempre lutei
Aquele que, se me faltar morreria de saudade
E afinal é o fato, que poucas vezes usei.

[Autor Desconhecido]

2 comments:

Baraújo said...

e porque tens de te vestir????

mas se tens mesmo.. leva um vestido que te anime... e te faça sentir... a mais bonita das mulheres...

beijo

ps. gostei muito deste post!

Pedro M said...

Recordo-me de um poema, que nos lembra que a perda de liberdade é gradual e que nos compete a nós TODOS resistir.

"Primeiro vieram buscar os Comunistas,
e eu nada disse,
porque eu não era Comunista.

Então vieram buscar os Judeus,
e eu nada disse,
porque eu não era Judeu.

Então vieram buscar os Católicos,
e eu nada disse,
porque eu era Protestante.

Quando me vieram buscar a mim,
já não havia ninguém para falar por mim."

Poema do pastor luterano alemão Martin Niemöller.
Martin Niemöller passou oito anos e meio num campo de concentração nazi.